Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / História

História Do Município de Extremoz.

por Interlegis — última modificação 08/12/2014 11h48
Da fundação aos dias atuais.

A aldeia de São Miguel do Guajíru, era habitada pelos indígenas Tupis e Paiacus, sob a direção dos padres Jesuítas, nas últimas décadas do séc. XVIII.
Ali permaneceram até 1725, quando foram expulsos, deixando uma população de 1.429 almas, a mais linda igreja da Capitania e fartura de víveres e gados.
A Vila Nova de Extremoz, a primeira do Estado, foi fundada em 1758, por Bernardo Coelho Gama Casco. Fora sempre povoada, com terrenos e plantios desde o início do Séc. XVII. Os holandeses visitavam-na freqüentemente e pensavam em dividir a TIJURU (primeiro nome da Lagoa de Extremoz) – transformando-a em reservatório d`água. Separando suas águas pela Ponta Francesa e Ponta Grossa, a Seção superior seria mantida doce pelo rio Caratã a parte inferior ficaria salgada ou salobra, comunicando-se com o mar através do Rio da Redinha que, à época, permitia passagem de botes e embarcações de fundo chato, transportando os produtos da região. 


Emancipação Política:

Em 04 de abril de 1963, pela Lei número 2.876/1963, a Vila de Ceará - Mirim, assim como era denominado o Povoado de Extremoz, desmembrou-se do município de Ceará - Mirim e conquistou a sua emancipação política, ou seja, sua independência política, após 211 anos de fundação. De acordo com dados históricos do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), Extremoz viveu por 105 anos na condição de povoado. Limita-se com os municípios de São Gonçalo do Amarante, Ceará Mirim e Natal.


Extremoz, que faz parte da Região Metropolitana de Natal, foi a primeira Vila da Capitania do Rio Grande do Norte, a partir de 1758. Em agosto de 1885, por causa de uma Lei Provincial, passou a fazer parte do município de Ceará - Mirim, retomando sua emancipação em 04 de abril de 1963, tornando-se município do Rio Grande do Norte.


Aniversário da Cidade


Fundada em 03 de maio de 1760, Extremoz foi considerada a primeira vila do Estado do Rio Grande do Norte. Ela faz parte da Região Metropolitana de Natal e a data tornou-se feriado municipal através do decreto legislativo n⁰ 04 de 16 de agosto de 1984, pelo Presidente da Câmara de Vereadores da época, Adilson José de Melo.


Sobre a cidade - atualidade


Atualmente a cidade é administrada pelo prefeito Klauss Franscisco Torquato Rêgo (PMDB) que cumpre seu segundo mandato como chefe do poder executivo nos anos de 2008 a 2012 e reeleito para 2013-1016.


A sede própria da prefeitura está localizada na rua capitão José da Penha, centro da cidade, que foi inaugurado em 1987, construído pelo ex-prefeito João Soares de Souza (1984-1988) e hoje funciona os setores de Protocolo, licitação, departamento de pessoal e Recursos Humanos, Controladoria Geral, Diário Oficial do Município, Secretaria de Tributação e a instalação do Gabinete do Prefeito e do Gabinete Civil, após reforma realizada pelo atual prefeito Klauss Rêgo.


Extremoz , que faz parte da região metropolitana de Natal, foi a primeira Vila da Capitania do Rio Grande do Norte a partir de 1758. Em agosto de 1885, por causa de uma Lei Provincial, passou a fazer parte do município de Ceará Mirim, retomando sua emancipação em 04 de abril de 1963, tornando-se município do Rio Grande do Norte. O município tem uma população aproximada de 25 mil pessoas (dados do IBGE – censo 2010)e é considerado um gerador de turismo, principalmente por causa da Praia de Genipabu, conhecida mundialmente. Ele possui mais cinco praias em seu litoral, sendo elas Graçandu, Pitangui, Barra do Rio, Redinha Nova e Santa Rita.



Cronologia Atual


51 anos de Emancipação Política – Desmembrou-se do município de Ceará Mirim em 1963


253 de fundação da Vila de Extremoz – 1ª Vila fundada no Rio Grande Norte- 1760 é data de fundação;


411 anos de história – Os livros e historiadores apontam o ano de 1602 como descoberta da terra


Texto: Gilmara da Silva Costa – Jornalista – Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Extremoz. DRT RN – 1136 JP

Fontes pesquisada: IBGE, IDEMA, Arquivo da prefeitura.

Mídias Sociais

Facebook  Youtube

Acesso à Informação